Publicado por: Carlos Scomazzon | sexta-feira, dezembro 26, 2008

A mídia eletrônica segundo Roger Chartier

Como se dá a apropriação da literatura nos espaços escolares? Como estão sendo traçadas as relações entre os indivíduos e os novos suportes de leitura e escrita? E como anda a interface entre a imagem e o texto escrito no corpo da leitura? Estes são apenas alguns dos tópicos que foram discutidos durante o Colóquio Roger Chartier – apropriações de um pensamento no Brasil, que aconteceu de 12 a 15 de setembro no Rio de Janeiro. Em sua nova visita ao Brasil, o historiador e escritor Roger Chartier fez duas palestras: uma na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-RJ e outra na Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.

Diretor da École des Hautes Études en Sciences Sociales (Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais), em Paris, na França, e professor especializado em História das Práticas Culturais e História da Leitura, Roger Chartier é um dos mais conhecidos historiadores da atualidade, com obras publicadas em vários países do mundo. No Brasil, um dos livros mais famosos é A aventura do livro, lançado pela Editora Unesp, no qual o autor enfoca de maneira instigante a reorganização do mundo da escrita após a internet.

Em sua última visita ao Brasil, em 2001, Chartier esteve na Multirio e concedeu uma entrevista exclusiva ao programa Educação e Trabalho, apresentado pela jornalista Eliane Bardanachvili, editora do portal da Multirio. No programa, o historiador fala sobre a leitura no século XX1, a história do livro e a sua relação com as novas tecnologias.

Segundo ele, se a tecnologia for amplamente utilizada dentro do mundo escolar, será possível criar uma nova geração de leitores e difundir ainda mais a leitura. “Não há uma imposição da cultura eletrônica sobre a cultura escrita”, diz. Acompanhe a entrevista:

Eliane Bardanachvili – O livro no Brasil ainda está longe de muitos brasileiros. No entanto, já estamos passando de leitores para navegadores da internet. Como o senhor analisa essa situação?

Roger Chartier – O mais importante é não pensar que essa nova técnica de transmissão dos textos, a eletrônica, seja igual para todos os países. Há um mundo de alfabetizados e um de analfabetos, que ainda não conseguem usar esta tecnologia. A diferença deve estar sempre presente, seja ela social, econômica ou cultural, dentro da população de um país específico ou em uma escala mundial. Um dado interessante é que 48% dos endereços eletrônicos estão localizados em países de língua inglesa, só 4% em países de língua espanhola e 3% apenas em países de língua portuguesa. Isto significa que a desigualdade não existe só no Brasil, mas no mundo todo.

Eliane Bardanachvili – As novas tecnologias acirram essas desigualdades. Ficaria, então, mais difícil criarmos novos leitores?

Roger Chartier – As novas tecnologias poderiam ajudar a criar uma nova geração de leitores e a difundir a leitura, se pensarmos em sua utilização dentro do mundo escolar. Poderiam ajudar no aprendizado, na leitura e na escrita. Assim, não há uma imposição da cultura eletrônica sobre a cultura da escrita. Pela primeira vez ocorre, na tela, a difusão de textos. A alfabetização nesta tecnologia é um diagnóstico otimista para o progresso da cultura escrita, dos hábitos de leitura.

Eliane Bardanachvili – É fácil uma pessoa que não seja um intelectual reconhecer a importância da escrita e da leitura?

Roger Chartier – É uma responsabilidade que vejo não somente como sendo da escola, senão também como de outras instituições contemporâneas como a mídia – televisão e jornal -, os eventos culturais e as feiras de livros. Estas instituições são incumbidas de cultivar a importância da leitura para que o cidadão possa conhecer sua sociedade e ter ferramentas críticas para compreender sua situação, os mecanismos que governam sua condição e a relação com outras pessoas e com os poderes. A partir da leitura, o cidadão moderno pode ter uma relação crítica e mais neutra com os mecanismos da sociedade que regem seu dia-a-dia e, assim, ser menos dominado por eles.

Eliane Bardanachvili – A escola deve ter, além do papel de alfabetizar, ensinar a criança a pensar?

Roger Chartier – Existem diversas definições de analfabeto. A clássica, existente no Brasil e em outros países, é aquela em que o indivíduo não sabe ler nem escrever. A escola tem o papel essencial de passar este conhecimento, aprofundando a questão. Acho que saber ler e escrever não seja suficiente para “ler” e “escrever”. Faz-se necessário a familiaridade com a escrita, no sentido que o indivíduo tenha uma cultura que o faça pensar por si mesmo, na relação com os outros e nas relações com os poderes econômicos, sociais e políticos. Esta seria uma forma de entender a cultura escrita e de lutar contra o que chamamos de analfabetismo funcional. De novo, a escola pode e deve desempenhar um papel fundamental, ainda que não de forma isolada, mas em conjunto com as outras instituições. A idéia é de que hoje exista e tenha se desenvolvido um analfabetismo relacionado ao mundo eletrônico. O mundo eletrônico é imposto a cada indivíduo e ainda existem dificuldades de acesso à compreensão e ao uso desta tecnologia por razões econômicas e culturais óbvias. As escolas e bibliotecas podem ajudar aqueles que já sabem ler e escrever e têm hábitos de leitura dentro do mundo clássico a se familiarizar com esta nova cultura.

Eliane Bardanachvili – A mídia eletrônica não seria apenas um apoio, mas um meio pelo qual a alfabetização também se efetivaria?

Roger Chartier – Esta seria a razão pela qual a presença de computadores nas escolas poderia ajudar na alfabetização. As experiências demonstram que o aprendizado das normas ortográficas podem encontrar no meio eletrônico um suporte didático eficaz, sempre com a presença do professor. Usar a informática na escola também é apresentar às crianças uma realidade que tende a desenvolver-se no futuro.

Eliane Bardanachvili – Professor, conhecer a história da leitura, a história do livro nos ajuda a entender esse momento tão conturbado que estamos vivendo?

Roger Chartier – Acho que o saber histórico pode ajudar na compreensão do presente, através das experiências do passado. Talvez possa até ajudar a organizar o desenvolvimento de programas de leitura ou mostrar a descontinuidade da história. No Brasil, existe o programa nacional de incentivo à leitura que ilustra esta questão. Por um lado é um programa que dedica-se a desenvolver os hábitos de leitura e levá-los onde eles não existem. Ao mesmo tempo, é um programa que a partir do conhecimento histórico de especialistas em educação, historiadores e sociólogos, permite reconhecer as etapas, as descontinuidades e as conquistas da leitura. Com isso, estabelecemos um vínculo imediato do passado com o presente para conseguir os objetivos já expostos: a iniciação dos indivíduos nos diversos níveis da cultura escrita, no saber ler e escrever, na prática da leitura e da escrita e no contato com o universo do texto eletrônico.

Eliane Bardanachvili – Olhando para esta história, que pontos o senhor ressaltaria como determinantes na relação que temos hoje com o livro e com a leitura?

Roger Chartier – Devemos ter em mente que Gutenberg criou a imprensa e não o livro da forma como o conhecemos. O livro nasceu nos primeiros séculos da era cristã e se diferenciava dos livros em rolo dos romanos e dos gregos. Com o tempo ele adquiriu a forma como nós conhecemos: com as folhas dobradas, as páginas e a encadernação. O livro chamado pelos historiadores de códice existiu antes e depois de Gutenberg. Nossa relação com o texto está ligada não só à técnica de Gutemberg, mas, principalmente, ao formato de livro que permite ler e escrever, folhear e criar índices. Isto não era possível com o livro da antiguidade. O rolo não pode ser folheado porque não tem folhas, não pode ser paginado porque não tem páginas e nem índices. Todo nosso relacionamento corporal com a cultura escrita está vinculado à forma de livros como conhecemos. Por esta razão, o texto eletrônico lança um grande desafio ao requerer uma mudança de hábitos. Temos que ler em frente a uma tela de computador, existe o teclado e o texto é lido como se fosse um rolo. Mas ao mesmo tempo utilizam-se todos os códigos de um livro: a paginação, o índice…

Eliane Bardanachvili – Estamos retrocedendo de alguma forma?

Roger Chartier – Voltamos ao passado mas, ao mesmo tempo, acumulamos o que foi adquirido com o código manuscrito e o código do livro impresso. Assim, podemos observar que a reflexão do presente pode ser esclarecida a partir do conhecimento histórico. Muitas vezes, compara-se a revolução eletrônica à revolução de Gutenberg. O que não acho adequado. É verdade que existe a mutação técnica, imprensa-texto digital, mas, o mais importante é a transformação da estrutura do suporte e da relação do corpo, da mente, do leitor com o texto. Mais adequado é comparar a invenção do código escrito à invenção da técnica digital.

Eliane Bardanachvili – Que tipo de relação estabelecemos com o texto que não está mais no papel?

Roger Chartier – Um livro é para nós um objeto material com características diferentes a um jornal, a uma revista ou a um arquivo. É uma obra com uma identidade, uma coerência e um autor. É a cultura do código, a vinculação objeto-obra, que desaparece com o texto no computador. O computador é um suporte que oferece ao leitor todos os tipos de texto. A identificação da obra como obra é mais difícil. O desafio se dá na leitura descontínua, fragmentada e segmentada, que não deixa perceber a unidade textual, ou seja, a obra como obra estética. Uma obra intelectual à qual pertence aquele fragmento. A visão que se tem da tela é ambígua. Por um lado é uma tela nova, que transmite textos; por outro, uma tela que já conhecemos, como a da TV. A descontinuidade da leitura frente ao computador traz de volta a prática do zapping. O desafio é como conseguir ver o livro digital como obra coerente, com unidade e identidade.

Eliane Bardanachvili – Pelo jeito, o livro de papel ainda mantém os seus encantos e, mesmo competindo com a internet, não deve morrer…

Roger Chartier – Acho que não. A leitura do texto digital é descontínua e adequada a certos tipos de obras, como dicionários e enciclopédias, onde o leitor procura determinadas palavras ou artigos, e que não precisam ser lidos da primeira a última página. Enquanto obras ou livros requerem a compreensão total, exigem a familiaridade com romances, ensaios, livros de história e de conhecimentos. Acredito que para nós e, possivelmente, para as futuras gerações sempre estarão presentes as três formas de escrita: a manuscrita, ainda usamos o texto escrito à mão, a cultura impressa e, para os que tiverem acesso, o texto eletrônico.

Eliane Bardanachvili – Nós falamos até aqui das novas tecnologias interferindo na rotina de quem lê. E na rotina de quem produz o texto escrito, quais são os tipos de interferência?

Roger Chartier – Para os autores de ficção e de novela existem as possibilidades de usar a relação mais próxima entre a escrita, o autor e o leitor e a de propor ao leitor a intervenção no texto, como se fosse um jogo, entre a criação e a leitura. Para o historiador há a possibilidade de organizar o texto de forma diferente. No texto de história sempre há notas, citações e referências, mas o leitor não pode controlá-las. O vínculo intertextual permite que o leitor vá até essas fontes quando elas tenham sido digitalizadas. A leitura pode seguir a mesma ordem do autor. A referência pode ser mais do que uma nota no rodapé. O leitor pode escolher o que quer ler e tentar refazer o caminho do historiador.

Eliane Bardanachvili – A gente tem cobrado muito do leitor, da adaptação que ele deve ter em relação às novas tecnologias, mas ao que me parece o autor ainda está com uma visão bem tradicional. Ele só está preparado para escrever livros no papel…

Roger Chartier – Até agora a maioria dos autores utiliza a técnica digital apenas para a transmissão de textos criados no conceito tradicional. Se incorporada ao processo de criação, estes os recursos digitais podem modificar a ficção, o romance e os textos de conhecimento que vão adquirir características impossíveis no universo do papel.

Anúncios

Responses

  1. Boa noite,
    Estou fazendo minha monografia cujo título é: O leitor textual versus o Leitor Imersivo. Gostaria de poder utilizar essa entrevista em minha monografia, seria possível?

    Obrighado,
    Flávio


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: