Publicado por: Carlos Scomazzon | sexta-feira, novembro 27, 2009

Funarte e Centro Cultural BNB realizam mostra em Brasília

A Funarte-Brasília e o Centro Cultural Banco do Nordeste realizam, em conjunto, a exposição coletiva Rosa dos Ventos, reunindo os artistas contemporâneos pernambucanos Amanda Melo, Jonathas de Andrade e Rodrigo Braga, e a cearense Waléria Américo, dentro do programa Arte em Fluxo. Com curadoria de Bitu Cassundé, a exposição acontece na Galeria Fayga Ostrower – Complexo Cultural da Funarte [Eixo Monumental – Setor de Divulgação Cultural – lote 02 – fone: (61) 3322.2029], em Brasília. Gratuita ao público, a mostra ficará em cartaz até 22 de janeiro de 2010.

A exposição Rosa dos Ventos observa como as questões de fluxo, trânsito e deslocamento se localizam na “geografia poética” dos artistas Amanda Melo, Jonathas de Andrade, Rodrigo Braga e Waléria Américo. Rosa dos Ventos é um instrumento de orientação que se baseia nas quatro direções principais (N, S, L, O) e suas intermediárias. Corresponde à volta completa do horizonte e surge da necessidade de se indicar uma direção. A partir da apropriação do termo geográfico Rosa dos Ventos, a exposição localiza o seu eixo, refletindo acerca das direções e horizontes tomados pelas poéticas dos artistas da mostra, nas quais o desejo, a solidão, a política e a paisagem se alimentam de um corpo que transita pela diversidade de mundos.

Rodrigo Braga apresenta um recorte da série Desejo Eremita – bolsa Funarte 2009, da sua experiência/residência numa cidade do interior do estado de Pernambuco chamada Solidão. A série de fotografia é resultado da vivência do artista no embate entre a natureza, a paisagem, o corpo e a experiência eremita da solidão. Jonathas Andrade, com o Documento Latinamerica: Condução à Deriva – também bolsa Funarte 2009, desbrava fronteiras e paisagens pela América do Sul, percursos de um corpo político que registra fragmentos de memórias e afetos. Amanda Melo elabora uma série de desenhos – Sal é Mar – a partir do mar, que se torna espaço de instabilidade para a paisagem registrada, num processo de pesquisa que demandou um longo percurso pelo litoral brasileiro.

Waléria Américo desenvolve uma investigação em que o corpo, a paisagem e a cidade são elementos propositivos para sua poética. Plano de fuga nº 1 é resultado de uma performance voltada à paisagem, na qual a artista fica suspensa com pernas-de-pau gigantes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: