Publicado por: Carlos Scomazzon | terça-feira, dezembro 29, 2009

2009 é o Ano Nacional de Patativa do Assaré

Patativa do Assaré

Se estivesse vivo, Antônio Gonçalves da Silva, que se tornou conhecido no Brasil e no mundo como o Patativa do Assaré, completaria, em 2009, 100 anos. Tendo como base a herança cultural deixada pelo compositor, poeta e improvisador, o Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura, resolveu homenagear o artista instituindo o ano de 2009 como o Ano Nacional Patativa do Assaré. O vice-presidente José de Alencar assinou a Lei nº 12.132 de 17 de dezembro de 2009, publicada no Diário Oficial da União do dia 18 de dezembro (Seção 01, pág. 01) estabelecendo o ano de 2009 como o Ano Nacional Patativa do Assaré. O Ministério da Cultura também prestou homenagem ao artista durante a realização, nos dias 28 e 29 de maio de 2009, no Teatro da Caixa Cultural, em Brasília, do I Encontro Nordestino de Cordel em Brasília. No encerramento do evento, que reuniu cordelistas de todos os estados da região Nordeste, foi prestado um Tributo a Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa do Assaré.

No ano de 2009 foram realizadas várias cerimônias, principalmente no Ceará, lembrando o centenário do poeta “cabloco”. O principal evento comemorativo foi o lançamento, em Fortaleza, no dia 18 de dezembro de 2008, do projeto Patativa em todos os Pontos-Centenário de Patativa do Assaré. As comemorações, que aconteceram nos dias 18 e 19 no Centro Dragão do Mar, reuniram artistas, músicos, poetas, amigos e parentes do compositor. Na ocasião, a família do compositor recebeu, do Instituto da Cidade, o Troféu Iracema – Zenon Barreto. Foi criado ainda o Grupo Amigos do Patativa, com o objetivo de arrecadar fundos para a restauração da casa do poeta cearense.

Quem foi Patativa do Assaré

Antônio Gonçalves da Silva nasceu no dia 5 de março de 1909, na Serra de Santana, a 18 quilômetros da cidade de Assaré, no Ceará. Ele dedicou sua vida a produção cultural utilizando uma linguagem simples, porém poética, na construção de músicas, poemas e até de cordel. Patativa do Assaré teve dez livros publicados: o primeiro deles, Inspiração Nordestina (1956), e o último, Ao Pé da Mesa (2001).

O compositor, que nasceu de uma família de agricultores pobres e começou a trabalhar na roça com oito anos para ajudar no sustento da família, passou por momentos difíceis, como a perda da visão de um olho, aos quatro anos, e do pai, aos oito anos. Aos doze anos entrou na escola para fazer alfabetização, onde permaneceu por menos de seis meses. Nesta época vendeu uma ovelha para comprar uma viola e começou a escrever os primeiros versos. Aos 20 anos recebeu o apelido de Patativa do Assaré, pela semelhança de sua música com o canto do pássaro do sertão nordestino. Neste período ele começou a viajar por algumas cidades nordestinas para se apresentar como violeiro e cantou também, por diversas vezes, na rádio Araripe.

Patativa do Assaré obteve popularidade em nível nacional, possuindo 25 premiações, títulos e homenagens, tendo sido nomeado por cinco vezes Doutor Honoris Causa. Em 1995, ele recebeu o Prêmio Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura. O compositor afirmava, no entanto, nunca ter buscado a fama, nem nunca ter tido a intenção de fazer profissão de seus versos. Seu trabalho se distingue pela marcante característica da oralidade. Seus poemas eram feitos e guardados na memória, para depois serem recitados.

O poeta nordestino teve ainda suas músicas gravadas por artistas como Luiz Gonzaga (A Triste Partida, em 1964) e Raimundo Fagner (Sina, em 1970, e Vaca Estrela e Boi Fubá, em 1980). O compositor foi também personagem de dois filmes produzidos sobre ele. O primeiro, Patativa do Assaré, de 1979, do cineasta Rosemberg Cariry. E o segundo, Patativa do Assaré – Um Poeta do Povo, realizado em 1984 numa parceria dos cineastas Rosemberg Cariry e Jefferson Albuquerque Jr.

Para o cineasta, mesmo hoje, após a sua morte, Patativa do Assaré é uma referência literária popular já clássica, sendo a sua poética estudada em centros acadêmicos na Europa e no Brasil. “Patativa do Assaré é um cristão primitivo e radical que bebeu na fonte do melhor humanismo. Se o Brasil não tem ainda o seu poeta nacional, que simbolize e expresse o sentimento de nação, como Garcia Lorca na Espanha, Pablo Neruda no Chile, ou Camões em Portugal, o Nordeste, popular e rebelado, tem o seu: Patativa do Assaré”,declarou Rosemberg Cariry em artigo sobre o artista no portal Crônicas Cariocas.

Patativa do Assaré participou de importantes momentos políticos brasileiros como o Ligas Camponesas, o movimento de resistência à ditadura militar, e as campanhas pela Anistia e pelas Diretas Já. Na aérea cultural, foi homenageado pela Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência (1979) e integrou os principais movimentos culturais do seu tempo como o de Cultura Popular, no Recife, os Festivais de Música Popular Brasileira, o Movimento Nação Cariri e os Encontros das Culturas Populares do nordeste.

Patativa nunca deixou de ser agricultor e de morar na região do Cariri, onde se criou, no interior do Ceará. O compositor e poeta foi casado com Belinha, com quem teve nove filhos e faleceu no dia 8 de julho de 2002 na mesma cidade onde nasceu. (Fonte: Heli Espíndola- Comunicação/SID)

Anúncios

Responses

  1. […] This post was mentioned on Twitter by Blog Comunic@nte, Pasárgada. Pasárgada said: RT @blogComunicante: 2009 é o Ano Nacional de Patativa do Assaré: http://wp.me/pezFO-2iV […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: