Publicado por: Carlos Scomazzon | quinta-feira, maio 20, 2010

Cia Druw recria universo infantil de Tarsila do Amaral

Dia 29 de maio de 2010 estreia, com entrada franca, no Centro Cultural São Paulo – CCSP – o espetáculo de dança infanto-juvenil da Cia Druw Vila Tarsila, dirigido por Miriam Druwe e Cristiane Paoli Quito. Em um roteiro que valoriza o lúdico, Vila Tarsila joga luzes nas memórias de infância de Tarsila do Amaral, e remonta sua trajetória criativa, desde suas primeiras impressões sobre cores e formas, até as origens dos elementos que influenciaram diretamente em sua criação artística.

Vila Tarsila tem o apoio da 6ª edição da Lei do Fomento à Dança do Município de São Paulo e transporta o espectador ao mundo antropofágico da artista, demonstrando que sua obra nasceu das experiências visuais das inúmeras viagens realizadas e das brincadeiras que recheavam as tardes na fazenda onde vivia em Capivari, interior de São Paulo, onde podia correr livremente entre pedras, árvores, cactus e brincar com bonecas feitas de mato, em contraponto com a educação francesa que recebeu de seus pais.

Certamente, o ápice desse aprendizado foi o Manifesto Antropológico, criado em parceria com Oswald de Andrade em 1928 e que propunha a “devoração cultural das técnicas importadas para reelaborá-las com autonomia, convertendo-as em produtor de exportação”. Miriam Druwe e Cristiane Paoli Quito buscaram referências em algumas telas da pintora modernista para inspirar os seis bailarinos/intérpretes-criadores e a atriz Luciana Paes, que estarão em cena. Pinturas como O Abaporu, A Negra, Sol Poente, O Lago, A Lua, Manacá, A Cuca, O Sapo, O Ovo ou Urutu e A Floresta trouxeram elementos visuais fundamentais para munir a dança contemporânea pesquisada há anos pela Cia. Druw. O cenário e o figurino de Marco Lima é a materialização dessas ideias e procura trazer a própria visão de Tarsila, retratando a década de 1920. A trilha sonora original de Natália Mallo, além de suas próprias criações, foi inspirada na obra de Villa-Lobos.

Para complementar a investigação artística iniciada em agosto de 2009, Druwe e Quito tomaram como suporte o livro Tarsila do Amaral – A Modernista, de Nádia Battella Gotlib, e a exposição Tarsila – A Viajante, que teve curadoria de Regina Teixeira, realizada na Pinacoteca do Estado. Dessas duas incursões persecutórias, Druwe e Quito descortinam os bastidores do movimento modernista, a vida cotidiana de Tarsila, seu processo criativo e sua relação com a arte.

Druwe considera cada quadro da artista “como se fosse uma ‘vila Tarsiliana’ por onde se passeia, com ponte, lago, povoado… Cada obra é um passeio artístico!”. Um dos pontos que mais interessou à dupla de criadoras foi a faceta viajante de Tarsila, que a cada viagem empreendida registrava seus caminhos em forma de desenhos. Daí foram criados os proto-humanos, criaturas da natureza recorrentes na obra de Tarsila, presentes no universo mágico de quase todas suas telas. Nem humanos, nem animais, mas seres mágicos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: